sábado, 2 de março de 2013

Eu não sou besta pra tirar onda de heroína

Postado por Letícia Murta às 17:14

Desde a minha última consulta com o médico, o açúcar estava restrito. E agora,  foi eliminado de minha vida #RIPSugar. Havia feito o exame de glicemia, deu uma alteração, e isso foi como uma bomba pra mim. Eu nunca fui doceira. Chocolates, sim. Mas o desespero com o doce surgiu com a gestação, creio eu, pela substituição ao cigarro, que larguei completamente quando soube do bb. Aí, meus amigos, entrei no doce e descobri ali o paraíso, que agora me é retirado. Sinto-me em alto mar sem um bote, uma boia ou mesmo uma tábua para apoiar.

Ser mãe é isso, abrir mão de pequenos e grandes prazeres por uma pessoa. Desde sempre, para a vida toda. A gente sabe disso, mas quando é hora de botar em prática, dá um certo pânico. Todo ser humano é egoísta por natureza e a maternidade te obriga a eliminar todo e qualquer pensamento que te coloque em primeiro lugar. Claro que há casos e casos,  e tem muita mãe que não vale uma pipoca. Mas a maioria das mulheres decide, sim, abrir mão do que for necessário para o bem-estar do seu filho, que se torna, desde o ventre, sua maior riqueza.

Mas isso não acontece sem dor. Não mesmo. Ir se despindo das muletas que permitem aparentar a normalidade necessária para transitar neste mundo de loucos é mesmo um grande desafio. Difícil pra caramba! Poxa vida!!! Vale a pena? Claro! Mas eu me permito sentir um misto de compaixão e orgulho de mim mesma e gostaria de um leve cafuné vez ou outra, no lugar dos duros comentários de mulheres, em sua maioria, que parecem associar a maternidade ao prazer da dor.

O tal padecer no paraíso é das coisas mais idiotas que já ouvi. Eu não estou padecendo. Nem irei. Eu apenas acho que, como em qualquer coisa que se viva, há aspectos ruins. E eu não os nego. E reclamo quando for necessário, pois sou humana e me permito desanimar, tropeçar e até cair. Não acredito que para ser mãe seja preciso que a mulher se transforme nem em uma santa e nem em uma heroína. Eu não quero e nem tento. A única coisa que sobra em mim é amor, mas eu continuo cheia de defeitos. Farei sempre o que for possível, mas se não for, não farei, mesmo que milhares de mães digam que essa é uma atitude que não cabe nos moldes criados por sei lá quem. Em mim, nunca caberão. Só prometo ser a melhor mãe que eu puder ser.

0 comentários :

Postar um comentário

O que você acha?

 

EU CURTO SER MÃE Copyright © 2009 Baby Shop is Designed by Ipietoon Sponsored by Emocutez