EU CURTO SER MÃE

segunda-feira, 4 de fevereiro de 2019

Nem por você nem por ninguém....

16:53 0
Nem por você nem por ninguém....

O filme "Fala sério, mãe" não é novo. Mas eu não tinha assistido até que passou outro dia na Globo e parei para ver. Leve, divertido, mas me levou à reflexão e ao choro. 

Vocês já pararam para pensar que nossos filhos ensaiam voos cada vez mais distantes desde que nascem? Cada nova conquista os leva um pouco mais longe de nós. Não digo especificamente de distância física e, eu sei, que estaremos sempre ligados. Porém, eles constroem as próprias conexões, traçam os próprios caminhos e, cada vez mais, definem as próprias vidas sem a nossa interferência.

Eu, que tenho uma menininha de quatro anos não tinha ainda dimensionado isso. E foi assistindo ao filme que parei pra pensar nisso e sofrer antecipadamente. Sem dar spoiler para quem não assistiu ainda, a história mostra uma mãe com sua primeira filha e as mudanças que vão ocorrendo com ela e com a família.

A mulher se descobre como mãe e a filha a ensina a vivenciar esse papel. A relação de companheirismo é enorme. Em dado momento, a mãe de coloca entre os sonhos da filha, tentando impedi-la de voar mais alto. É então que a música "Vinte e poucos anos", do Fábio Junior, fala aquilo que deve ser dito a toda mãe.


"Você já sabe
Me conhece muito bem
eu sou capaz de ir e vou
Muito mais além
Que você imagina
Eu não desisto assim tão fácil, meu amor
Das coisas que eu quero fazer
E ainda não fiz
Na vida tudo tem seu preço
Seu valor
E eu só quero dessa vida
É ser feliz
Eu não abro mão
Nem por você
Nem por ninguém
Eu me desfaço
Dos meus planos
Quero saber bem mais
Que os meus 20 e poucos anos"

Nunca tinha pensado nesta música dirigida a uma mãe. E não é que cabe direitinho? Nós, mães, achamos que sabemos o melhor para nossos filhos. Até uma parte da existência deles somos nós mesmos que sabemos. E depois? Estamos criando um ser humano e precisamos confiar na capacidade dessa pessoa de tomar as redes da vida. Dói só de pensar. Eu sei.... mas é o caminho natural, e saudável. 



quarta-feira, 30 de janeiro de 2019

Dez anos depois...

11:53 0
Dez anos depois...

Todo mundo na onda do #10yearschallegee vou fazer também. 
Na aparência, nem noto drásticas mudanças. Ok que a gente engorda, rugas chegam, o olhar muda. Mas olhando assim, eu poderia dizer que uma foi há uma semana e a outra, hoje. Tô ótima!

No comportamento eu mudei muito. Fiquei dura, mais cética, passei a acreditar menos no ser humano. Perdi muitas das ilusões que tinha. Sofri o diabo nesses dez anos. 

Há dez anos, nem casada eu era. E tinha me formado há pouco como jornalista. Hoje tenho na bagagem muita coisa boa, mas carrego a dor de ter enterrado um filho. Isso muda a gente. 

Também tive muitas alegrias! Vi meu nome assinar reportagens que amei fazer. Conheci pessoas incríveis. Vi minha filha nascer e acompanho seu crescimento. Construí uma família, tenho bens materiais e imateriais. Fiz novos amigos. Novos inimigos. Defini meu rumo profissional. 

Dez anos separam uma foto da outra. Dez anos fizeram uma outra pessoa. Parecida na aparência e completamente diferente nas atitudes. A gente muda 😊

sábado, 26 de janeiro de 2019

Após ver partir dois filhos com doença genética, mãe consegue seu grande milagre

12:12 0
Após ver partir dois filhos com doença genética, mãe consegue seu grande milagre
A  Luana Drummond é mãe dos anjinhos Rafael e Maria Júlia, e do bebê arco-íris Maria Laura. Ela dividiu conosco sua história de luta e amor. Se você também quer compartilhar sua história, contar algum caso ou dar uma dica envie para eucurtosermae@gmail.com que irei publicar com prazer.




Me lembro de quando eu era adolescente e uma amiga estava com problemas no útero (que eu não lembro o que era) e ela me disse que poderia ter que tirar o útero. Na hora pensei: se fosse comigo eu iria engravidar hoje, porque depois não poderia ter meu filho. Eu tinha 15 anos.. Eu já sonhava em ser mãe. Alguns anos mais tarde, vendo a Cissa Guimarães dar uma entrevista, após a morte de seu filho, me emocionei e pensei o quão forte era aquela mulher que perdeu um filho e estava ali porque eu teria morrido junto com ele.

Quatro anos depois me vejo grávida e feliz. No dia que tirei uma foto e postei falando que faltavam 10 semanas para o Rafael chegar senti uma dor e nesse dia descobri que meu líquido estava diminuindo.. 5 dias depois, ele nasceu, em 5 de dezembro de 2014.. Rafael foi diagnosticado com rins policísticos do tipo recessivo. É uma doença genética, descobrimos que eu e meu marido temos o gene que causa a doença.

As chances de um casal sem nenhum grau de parentesco ter a mesma mutação genética é baixa, mas fomos “premiados”. Como é recessivo, nós não temos doença, apenas a carga genética. Rafael viveu 4 meses na UTIneo. Foram meses difíceis, de muita luta mas de um amor intenso, eu tinha que amá-lo tudo o que eu poderia naquele dia pois não sabia o dia de amanhã.

Então, dia 07 de abril, ele partiu. E eu me vi forte.. Como a Cissa naquela entrevista, como minha sogra, como outras tantas mulheres que passaram pela mesma dor que eu. Agora eu já sabia o que tínhamos e os nossos riscos.. As chances de ter outro filho com a mesma doença eram de 25%. E eu quis tentar de novo porque a fé que foi construída naqueles 4 meses dentro da UTIneo me dizia que tudo daria certo.

Tínhamos 75% de chance de ter um filho saudável. E eu acreditei, confiei e engravidei.. Dessa vez de uma menina. Meu mundo sempre foi cor de rosa e eu sempre quis ele assim, tanto é que desde pequena dizia: vou ser mãe de menina. Minha menina já teve vários nomes: Patrícia, Priscila, Jéssica, Júlia.. Enfim chegou Maria Júlia.

Maria Julia pintou novamente meu mundo de rosa... De onça, de brilho, de pérolas.. Encheu tudo de laço - e quanto laço tinha Maju. Mas na gestação descobrimos que a Maju também tinha rins policísticos. E eu briguei feio com Deus porque eu tinha acreditado, tinha tido fé, tinha pedido muito..

Mas, ainda na gestação, fizemos as pazes pois só Ele poderia fazer o milagre que precisávamos. Ahhhh minha Maju, tão minha que dependia de mim para continuar a vida! E 9 meses depois, no dia 19 de outubro de 2016,nascia e partia minha menina. Maria Julia viveu apenas 3 horas. Por duas vezes eu experimentei a maior dor do mundo.. De lá pra cá já se passaram 2 anos. 2 anos de dor, de recomeço, de reconstrução daquela fé linda de 2015..

Há um ano e meio começou nossa nova batalha, nossa luta por um bebê arco-íris saudável. Graças a medicina poderíamos fazer fertilização in vitro com seleção embrionária. Na época do Rafael já sabia dessa opção mas os embriões doentes são descartados e eu pensava que jamais descartaria o meu Rafinha. Agora, tive que mudar meu pensamento para realizar meu sonho de ser mãe, então pensava que os embriões descartados não conseguiriam viver de toda forma, então eu estaria poupando-os de tanto sofrimento.

Maria Laura, o bebê arco-íris chegou
O tratamento não é fácil psicologicamente falando: Injeções, medos, médicos e mais médicos.. Dos 10 embriões que tivemos, só 4 eram saudáveis e isso foi uma tristeza para mim. Tive dificuldades para preparar meu endométrio (logo eu que nunca tive dificuldade para engravidar)..

Quando enfim deu tudo certo, não engravidei do embrião que coloquei.. Recomeçamos o preparo e fizemos nova transferência e o nosso tão sonhado positivo chegou.. Nossa Maria Laura estava a caminho para colorir nossa vida com todas as cores do arco-íris, vinha depois de longo período de tempestade..

A Maria Laura veio provar que sonhos se realizam mesmo quando parecem impossíveis. E o meu sonho se tornou realidade no dia 13 de dezembro de 2018.. Nem sei expressar o que senti no dia que saí da maternidade com minha filha nos braços, sim, é verdade,

Maria Laura é saudável. Estou vivendo a maternidade com todas suas flores e neblinas, com todo seu amor e sua dor. E eu só tenho que agradecer a Deus por isso. Agradecer a Deus pela oportunidade que tive com meus filhos que vieram me ajudar a evoluir e a oportunidade de agora, enfim, viver tudo isso! (@maedeucp)

Rafael

Maria Júlia



terça-feira, 15 de janeiro de 2019

Família não se abandona

21:41 0
Família não se abandona

Poucos dias após nos casarmos, adotamos Elvis, Raul e Nazaré. Nossa família foi formada com e para eles. Por causa deles, moramos hoje em uma casa espaçosa. Por causa deles, deixamos de viajar quando não há quem cuide. Por causa deles, não recebemos em nosso lar pessoas que não gostem de cachorros. E por aí vai. 
Eles acompanharam minha gravidez do Francisco e sua partida, me cobrindo de amor e uma compreensão que nenhum humano foi capaz. Vibraram com a chegada da Lola. Fizeram o papel de irmãos mais velhos. Lola os amou assim que tomou consciência da presença desses peludinhos.

Raul nos deixou no começo de dezembro. Estamos, desde então, aprendendo a viver sem ele. Que falta nos faz. A todos nós. Elvis e Nazaré ficaram imensamente tristes. Resolvemos levar Elvis, que mais gosta de agito, para viajar conosco. Nazaré é muito medrosa e, além disso, está com um problema no quadril que a fez perder a força das patas traseiras. Mas como deixá-la para trás? Solução! Bota na mochila e carrega!

Tivemos dias de muito prazer para todos. Ela curtiu, do jeito dela. E a lição que fica é que família não se abandona. É um por todos e todos por um! Até o último de nós partir. Lola vai crescer sabendo disso e praticando. Cuidará de mim e do pai na velhice, com o amor que nos viu dedicando aos nossos amores peludos, tenho certeza.

segunda-feira, 26 de novembro de 2018

Nova She-Ra é adolescente, empoderada e muito divertida

15:15 0
Nova She-Ra é adolescente, empoderada e muito divertida


Uma das minhas paixões da infância, She-Ra foi repaginada e estreou no Netflix em uma produção estúdios Dreamworks, dos sucessos "Shrek" e "Como Treinar o seu Dragão".  Devorei a primeira temporada com Lola, composta por 13 episódios de pouco mais de 20 minutos cada.  "She-Ra e as Princesas do Poder"  é uma série escrita e comandada por  um jovem time de roteiristas mulheres, diferentemente da original, criada e desenvolvida por dois homens.

O desenho é em 2D, mas estilizado e com influências da cultura do anime e de desenhos mais modernos. O reboot mostra a guerreira como uma adolescente,  sem traços de hipersexualização, com conflitos e inseguranças típicos da idade. A série é cercada de bom humor e personagens que trazem a diversidade, celebra a amizade feminina e o empoderamento.

Ao contrário da versão original, She-Ra usa um colete fechado cobrindo os seios, shortinho por baixo da saia e bota sem salto, em um visual  muito mais apropriado para um desenho infantil e também mais condizente com a condição de guerreira. Ela também não é mais a figura que representa a versão masculina do He-Man. Ele nem mesmo é citado na série. She-Ra é She-Ra em um protagonismo feminino lindo de se ver. A mitologia de She-Ra é mostrada sem que seja um anexo do irmão.

Na trama atual, She-Ra não resolve tudo sozinha, mas conta com a ajuda de várias princesas com poderes mágicos que também estão protegendo seus reinos da expansão de Hordak. Há A nova Etéria- o planeta onde a história se passa- mostra diversidade racial, social e cultural. Na versão dos anos 80, todas elas tinham cabelos longos e eram semelhantes no estereótipo.

Cintilante é uma menina plus size, que vive em conflito com a mãe, a poderosa rainha Angella, e briga para sair das sombras materna e ser ela mesma. Arqueiro é negro e deixa nas entrelinhas que possa gostar de meninos. Serena é indiana  e há ainda princesas-guerreiras negras e asiáticas.

A história é coerente e envolvente, mostrando a trajetória que transformo Adora em She-Ra e qual o contexto de luta contra a Horda e Hordak.  Eu adorei e já aguardo pelas próximas temporadas.


quinta-feira, 22 de novembro de 2018

Inteligente, gentil, importante!

14:40 0
Inteligente, gentil, importante!


Sei que o filme não é novo, mas assisti Histórias Cruzadas recentemente. Há inúmeros pontos que me levaram à reflexão e me emocionaram, mas quero falar sobre a forma como se relaciona Aibileen, empregada doméstica vivida por Viola Davis, com a garotinha, de quem é cuidadora.

No contexto do filme, é Aibileen que representa a verdadeira figura materna, dedicando cuidados e carinhos com a pequena. Há toda uma reflexão sobre a terceirização da maternidade, que não é minha intenção abordar neste texto. Tão pouco quero abordar o racismo e a luta por direitos civis dos negros, narrados na história. Meu foco é sobre a maneira como Aibileen empodera a criança.

No início do filme, Aibileen conta que já cuidou de 17 crianças, e foi com a primeira que ela entendeu que poderia estimular nesses pequenos o amor por si mesmas. Quando ela vai falar com a menininha, ela não elogia a sua beleza. Ela diz, constantemente: você é importante. Você é gentil. Você é inteligente.

Mais ou menos, já pratico isso com minha pequena. Eu costumo dizer para ela afirmações positivas sobre como ela é uma pessoa legal e sobre como a sua vida vai fluir bem, com muita saúde, amor e paz. Eu faço isso desde que ela é bebê, para que fique em seu subconsciente. Minha intenção é que ela saiba de sua força, diante dos obstáculos da vida.

Porém, assistindo ao filme, pensei a respeito do quanto é importante dizer às nossas meninas sobre suas qualidades, indo além da beleza. Afinal, é muito natural dizermos às pequenas que são lindas, belas, princesas. E é bom que se achem, sim, bonitas. Independente de suas características físicas. Mas também é bom que possamos ressaltar nelas que há qualidades valiosas, que não se relacionam com a aparência física.

Outro ponto importante mostrado no filme é o fato de Aibileen sempre se abaixar para falar com a criança. Isso é importante para se colocar em posição de igualdade, firmando olho no olho. Para os pequenos, faz toda diferença ao assimilarem uma mensagem, seja um elogio ou uma bronca.

sábado, 17 de novembro de 2018

Privilégios

18:36 0
Privilégios
Eu vivo falando sobre privilégios com a Lola. Explico que ela é uma menina com inúmeras vantagens à frente de outras crianças e que, por isso, deve sempre lutar para mudar essa realidade. 

Sendo uma criança de apenas 4 anos, não espero que ela tenha consciência de tudo por enquanto.  Mas plantei a semente e vou regando.

Outro dia, falei que ia à padaria, que fica ao lado de nossa casa. Comentei que era ótimo poder ir rapidinho, sem precisar de carro ou andar muito. Foi então que ela me surpreendeu:

- mamãe, ter uma padaria do lado de nossa casa é um privilégio, porque nem todo mundo tem. Não é isso?
- sim, minha filha. 
- igual tem criança sem escola ou sem pai e mãe.  
- verdade, Lola.
- então, temos que lutar pra todo mundo ter uma padaria do lado de casa

Hahahahahahaha.
Quase isso, Lola. Mas que bom que você já começou a entender o conceito de se ter privilégios. 

#casosdaLola
#Lola4anos

sábado, 27 de outubro de 2018

Uma nova mulher

13:02 0
Uma nova mulher

"Um belo dia resolvi mudar e fazer tudo que eu queria fazer.." Há cerca de um ano eu decidi que uma grande mudança era necessária. Na vida profissional e na privada, eu precisava expressar uma Letícia que estava oculta atrás da maternidade. Amo ser mãe. Amo tanto que criei o blog Eu Curto Ser Mãe. Só que ser mãe é uma parte (enorme) de mim. Mas não tudo.

Para expressar essa nova identidade, mudei a logomarca do blog, o nome no Insta e faltava o principal: euzinha!

Eu busca dessa comunicação não verbal de quem sou eu neste mundão, a@espaco.wanubiasena me ajudou a expressar o que eu queria. Uma mulher contemporânea, uma mãe multifacetada, uma cidadã conectada com o novo. 

A Wanúbia é visagista e deu uma entrevista super bacana para mim e para a Natália de Sá no Banheiro Delas. Veja aqui:



sexta-feira, 5 de outubro de 2018

Criatividade em alta

02:13 0
Criatividade em alta



Quando a gente fala em brincar, pensa em quê? Eu penso em uma criança livre, usando a imaginação e construindo possibilidade. Isso tendo um brinquedo, ou não. E dentro dessa filosofia, fiquei imensamente feliz ao ver os produtos da Mooca. Produtos que têm amor, criatividade e alma. 

A Mooca é o 1º marketplace do Brasil com aceleração de produtores locais, em um trabalho de empoderamento de produtores criativos locais. A plataforma conecta produtores locais à mentores e consumidores, percorrendo toda a cadeia de produção consciente local. Na Mooca, há produtos criativos que vão desde papelaria até a moda casa.


Eu quero que vocês conheçam o site vejam por vocês mesmo do que estou falando. É um universo de muitas coisas legais e únicas. E eu vou dar de presente para vocês 10% de desconto, com o código LETSMOOCA .


Neste sábado, a Mooca promove em BH o encontro Vem Ser Criança. Vai ser no quarteirão fechado da Antônio de Albuquerque, com muita brincadeira na rua a partir de 10h30.

Vejam a programação:

10h30 às 12h30 - Oficina das Crianças na MoocaA Maíra, da Fábrica de Desbrinquedo, vai ensinar as crianças a construírem suas próprias pipas. É um convite para todos construírem um brinquedo com as próprias mãos e ocuparem o céu azul dessa nossa cidade! Os materiais estarão disponíveis e a ajuda de prontidão! No fim, a pipa é sua e você só irá precisar de uma linha, um dia ensolarado (já tive um papo reto com São Pedro) e um lugar bem lindo aqui em Beagá pra ir brincar.A oficina é para crianças de 03 à 130 anos, mas, atenção, as crianças entre 03 e 06 anos e 125 e 130 anos vão precisar da ajuda de uma pessoa em idade intermediária pra aproveitar melhor a brincadeira.


10h às 15h - Lançamento PacoláA marca de papelaria surge com uma ideia de aproximar pais e filhos das brincadeiras da infância que fizeram parte da memória da Alessandra, a criadora da Pacolá. São adesivos que transformam simples caixas de papelão em carros de corrida e fogão.



sexta-feira, 28 de setembro de 2018

Meninas podem ser o que quiserem!

19:34 0
Meninas podem ser o que quiserem!

Por que ser só princesa se as meninas podem ser o que qusierem? Não há problema algum em querer ser uma princesa, desde que essa não seja a única escolha que uma garota tenha.


Ensine as meninas a serem corajosas e não perfeitas. Preparem as meninas para lutarem pelo que desejam, para serem aceitas pelo que são, para que sejam justas e combativas.

Que as meninas possam lutar contra dragões, escapar da torre, voltar depois da meia-noite sem sapato e ainda fazer amizade com a bruxa. 

Que possam se divertir com as amigas, escolher a profissão que quiserem, escapar dos padrões de moda e estereótipos limitadores.

É um novo tempo! Avante, garotas!!!! .

sexta-feira, 14 de setembro de 2018

Direito de família- Pensão alimentícia

03:06 0
Direito de família- Pensão alimentícia


Você sabe como funciona e quem tem direito a receber o valor da pensão alimentícia?

Primeiro é preciso esclarecer que a pensão alimentícia é o valor pago a uma pessoa para o suprimento de suas necessidades básicas de sobrevivência e manutenção.

Importa esclarecer também que embora tenha a palavra “alimento” como destaque, o valor não se limita apenas aos recursos necessários à alimentação propriamente dita, devendo abranger, também, os custos com moradia, vestuário, educação e saúde, entre outros.

 E quem tem direito a receber a pensão alimentícia?

É  devida aos filhos, aos ex-cônjuges e também ex-companheiros de união estável. Quando se trata de filhos de pais separados ou divorciados, o pagamento da pensão alimentícia é obrigatório até atingirem a maioridade (18 anos de idade) ou, se estiverem cursando o pré-vestibular, ensino técnico ou superior e não tiverem condições financeiras para arcar com os estudos, até os 24 anos.

Para ex-cônjuge ou ex-companheiro, é devida sempre que ficar comprovada a necessidade do beneficiário para os custos relativos à sua sobrevivência, bem como a possibilidade financeira de quem deverá pagar a pensão. Neste caso, o direito a receber a pensão será temporário e durará o tempo necessário para que a pessoa se desenvolva profissionalmente e reverta a condição de necessidade. Os direitos do ex-companheiro de união estável são os mesmos do ex-cônjuge do casamento em relação ao pagamento de pensão alimentícia.

Como é feito o cálculo da pensão alimentícia?

Para o cálculo será considerado as possibilidades financeiras daquele que tem a obrigação de pagar e a necessidade de quem receberá o benefício. A finalidade é garantir o pagamento dos custos necessários à sobrevivência daquele que tem o direito a receber a pensão, sem que isso prejudique, de forma significativa, as condições de subsistência do devedor.

Assim, o juiz definirá a fixação de um percentual com desconto direto em folha de pagamento, sempre que a parte que pagará o benefício tenha um vínculo empregatício formal. A medida assegura que o valor da pensão não fique defasado com o passar dos anos e que o repasse possa realizar-se de forma imediata.

Pai e mãe são obrigados a pagar a pensão alimentícia da mesma forma?

Sim. Com base no art. 5, I da Constituição Federal de nosso país, tanto homens quanto mulheres possuem os mesmos direitos e obrigações no que tange às obrigações alimentícias, portanto, a obrigação de manter o sustento dos filhos, por exemplo (caso mais comum) é de ambos.

Quem pode pedir a pensão alimentícia?
A Lei prevê as seguintes situações:

  •          De filho para pai/mãe e de pai/mãe para filho;
  •            Entre irmãos;
  •          De neto para avós.


Se o pai ou mãe não tiver condições de pagar a pensão?
Nos casos do pai ou da mãe não terem condições de efetuarem os pagamentos da pensão alimentícia, a obrigação do pagamento fica a cargo dos parentes de primeiro grau imediato. Na falta dos ascendentes, cabe aos descentes, guardada a ordem de sucessão efetuar os pagamentos.
Na linha colateral, esta forma de cobrança pode ir somente até o segundo grau de parentesco. Para os cônjuges, ex-cônjuges, conviventes e ex-conviventes também é permitido esse tipo de cobrança.
Ainda tem alguma dúvida? Entre em contato pelo e mail dralimaribeiro.adv@gmail.com, no próximo texto, falaremos sobre o tema pensão alimentícia para os cônjuges e ex companheiros. Exemplo, se casar novamente, perde o direito à pensão? Qual o tempo de duração da pensão? Homem pode receber pensão para  a mulher? Essas e outras perguntas nos próximos tópicos. Até lá!
 Texto escrito por Zenilde Lima, Instagram @zenilde_maeaostrinta






terça-feira, 28 de agosto de 2018

O Pequeno Príncipe

12:03 0
O Pequeno Príncipe

Inspirado na obra do escritor francês Antoine de Saint-Exupéry, publicada em 1943, o musical da Copas Produções conta essa incrível história sobre solidão, amizade, liberdade, amor e perda que encanta crianças e adultos a gerações. Por meio de uma narrativa poética, trilha sonora original, cenário reais e virtuais e belos figurinos o espetáculo ressalta os verdadeiros valores que o ser humano deve buscar na sua jornada. As ilustrações do autor, feitas especialmente para a obra, também são utilizadas no musical que estreou em 2013 e está entre os dez espetáculos do repertório da produtora. A obra “O Pequeno Príncipe” é o livro em língua francesa mais vendido no mundo, com cerca de 150 milhões de exemplares. Se trata também de uma das obras literárias mais traduzidas no mundo, publicado em mais de 253 idiomas e dialetos.

Sinopse
A peça narra a história de um aviador que, após uma pane em seu avião, acaba parando no meio do deserto do Saara, na África. Perdido e tentando fazer com que seu avião volte a funcionar, antes que sua reserva de água acabe, ele é surpreendido por um menininho com roupas estranhas, cabelo da cor de trigo e que lhe enche de perguntas. O Aviador, então, o chama de Pequeno Príncipe. O principezinho começa uma amizade com o piloto e aos poucos vai contando sua história, conquistando o público pela sua inocência, ingenuidade e, ao mesmo tempo, sabedoria.
A produtora
A Copas Produções Artísticas foi criada em maio de 2010 pelo empresário Diego Benicá para atender, exclusivamente, ao segmento artístico e suas demandas no que diz respeito a trabalhos de assessoria de imprensa e produção, com ênfase no teatro para crianças. Oferecendo serviços de qualidade, a Copas se apresenta como uma importante empresa para disseminação da cultura na capital mineira. Entre os espetáculos produzidos pela produtora está o infantil “Pluft! O Fantasminha” – musical com 10 indicações ao prêmio Usiminas Sinparc e vencedor nos quesitos melhor trilha sonora, figurino, atriz coadjuvante e melhor espetáculo infantil de 2013. Entre outros títulos então: “A Bruxinha que era Boa”, “ A Bela e a Fera”, “ O Rei Leão”, “Alice no País das Maravilhas”, “Os Saltimbancos” e “As Histórias das Princesas e seus Príncipes”.

Ficha Técnica

Produção: Copas Produções Artísticas | Texto: Antoine de Saint-Exupéry| Adaptação: Wesley Marchiori | Direção, cenário, luz e figurino: Diego Benicá | Elenco: Bernard Bravo, Bernardo Rocha, Gabriela de Paula, Luana Costa, Ítalo Mendes e Rafael Ventura | Trilha Sonora original: Gabriela de Paula, Claudio Dias, Juliana Serra e Ladston do Nascimento | Direção Vocal: Henrique Moretzsohn | Adereços: Paulo Viana | Maquiagem: Gabriela Domingues | Cenotécnica: Artes Cênica | Trilha – gravação, mixagem e masterização: Audioartte |   Assessoria de imprensa: Copas | Fotografia e Programação visual: Daniel Augusto | Classificação: livre | Duração: 60 min


A importância da avó materna

12:01 0
A importância da avó materna

Não importa quanta afinidade ou lembranças da infância você tenha de sua avó materna, você está unido a ela pelos genes.

Quando nossas avós estavam grávidas de nossas mães, o feto em formação já carregava os dois ovários que continham os óvulos com os quais ela iria se desenvolver. Um destes óvulos tem seu nome.

No DNA que as avós maternas  transferem aos seus netos, não apenas encontram traços físicos, alguma possível doença hereditária ou os gestos, mas também o temperamento ou inclusive as vivências que teve quando estava grávida de sua filha. Isto quer dizer que se a avó materna passou por uma situação difícil na sua gravidez, ou sofreu uma depressão durante a gestação isso pode influenciar nos filhos de sua filha.

A avó materna é chave para entender a transferência de informações e programas que carregamos inconscientemente durante toda vida.

terça-feira, 21 de agosto de 2018

Retenção dos dentes - Falta de mastigação causa problemas nas crianças

23:42 0
Retenção dos dentes - Falta de mastigação causa problemas nas crianças


Os dentes de leite, que são chamados de dentes decíduos pelos dentistas, precisam cair para que o dente permanente possa nascer. Quando a erupção (nascimento) do dente permanente é atrasada por mais de um ano a partir da data prevista, podemos dizer que há uma retenção dos dentes de leite.
Vários fatores podem ocasionar esse problema, porém, nos últimos anos, ele tem sido causado por um fator curioso e preocupante: a falta de mastigação das crianças.

Por que isso acontece?

A principal função dos dentes é a mastigação, isso é um fato. No entanto os pais estão dando alimentos pouco sólidos aos filhos e as crianças estão engolindo a comida sem mastigar, quando o correto é mastigar até 20 vezes.
Essa falta de mastigação é apontada pelos dentistas como uma das possíveis causas para a resistência dos dentes “moles” em cair.

Falta de ginástica bucal

A boca precisa de ginástica para crescer bem. Os ossos da face, por falta de mastigação, não desenvolvem espaço suficiente para acomodar toda a dentição na fase adulta. Na alimentação atual, processada e mais fácil de ingerir, não há estímulo mastigatório em cima do dente de leite.
Os primeiros sinais de falta de exercício bucal aparecem justamente na época da substituição dos dentes. Os permanentes já nascem tortos, pois “atropelam” os dentes de leite.

Diagnóstico

Quando uma criança sofre desta condição, é necessária uma avaliação dentária completa. Um dentista primeiro avalia a cor, forma, posição e condição dos dentes com testes clínicos abrangentes.
Raios-X odontológicos são realizados para determinar a causa exata. Antes de decidir qual é a melhor opção de tratamento para o seu filho, o dentista considera vários fatores, como preservação óssea, contato dentário, função e estética.

 

Outras causas para a retenção dentária.

     Reabsorção Incompleta da Raiz: A porção da raiz do dente não é totalmente reabsorvida e cria uma obstrução, causando um atraso na erupção do dente permanente.
     Fusão Óssea: Os dentes ficam presos ou fundidos ao osso circundante. Esta condição é conhecida como anquilose.
     Desalinhamento dos Dentes Permanentes: Se os dentes permanentes em desenvolvimento ficarem presos embaixo do osso e não erupcionarem, os dentes de leite podem sofrer um atraso na esfoliação. Além disso, em alguns casos, os dentes permanentes entram em erupção na frente ou atrás dos dentes decíduos que devem cair.
     As outras causas possíveis de dentes super-retidos são trauma, patologia, infecção e erupção tardia.

Por que devemos tratar essa condição?

Dentes de leite retidos podem causar problemas se não forem tratados adequadamente: problemas periodontais, cárie dentária e inclinação dos dentes permanentes adjacentes.

Quais os tratamentos que existem?

Depende da condição do dente e das estruturas circundantes. Se a criança tiver vários dentes de leite retidos, pode haver vários dentes permanentes ausentes. É importante que, além de seu dentista, um ortodontista avalie a criança para que um plano de tratamento adequado possa ser desenvolvido.
Se o dente é estrutural e esteticamente aceitável, o dente pode ser retido. Se o dente não for esteticamente aceitável, ele pode ser retido e remodelado usando uma restauração. Quando o dente é torto, é melhor extraí-lo; o espaço pode ser fechado.
Outro tratamento seria a extração do dente, seguida da substituição por ponte fixa ou implante dentário. Neste momento, o implante dentário é o tratamento que a maioria das pessoas escolhe após a extração, devido à sua maior taxa de sucesso.

Procure um dentista

É claramente muito importante que os dentes de seu filho sejam sempre checados por um profissional da área odontológica, de modo que condições como dentes retidos possam ser identificados o mais rápido possível. O tratamento precoce é essencial para que o resultado possa ocorrer mais rápido.
Kenia Monteiro
CROMG18498
Gestora e responsável técnica